18 de out de 2010

"leve fome permanente"

        Eu sou diferente de todo mundo que eu conheço, eu sei, todo mundo é, mas ainda não me acostumei com isso.  Quando eu sinto, sinto muito, muito mesmo, não sei ser só metade, um pouquinho, não dá. Sou inteira. Meu amor é inteiro, minha raiva é inteira, meu riso é inteiro, minha tristeza também, no meu mundo é tudo intenso e não conheço ninguém assim. É com isso que não me acostumo.
       Tem gente que gosta, mas não demonstra. Tem gente que ama, mas não fala. Tem quem fique triste, mas só uma parte. Não entendo, não mesmo.  Pra mim é impossível se dividir, acho sempre que é falta de amor, de cuidado, de preocupação, por isso vivo esperando mais.
       Eu sei que cada um ama de um jeito, sente de um jeito, mas ainda não aprendi a aceitar isso, quero receber lealdade igual a minha, cuidado igual o meu, respeito e amor do jeito q eu dou. Sei que isso é feio, egoísta soa falso... mas ainda não aprendi a dá sem receber. Me desculpe, mas espero de volta. Não deixo de sentir caso não haja retorno, mas me decepciono, choro e me dói, porque como já disse, tudo em mim é muito forte e espero de volta a mesma intensidade. Nunca vem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário